A usina termelétrica Amapari é fruto da parceria entre a ENEVA (51%) e a Eletronorte (49%) e gera energia através de 13 motores movidos pelo combustível B5, formado pela mistura de óleo diesel (95%) e biodiesel (5%). Com o objetivo de reduzir eventuais paradas não programas na usina, causadas pelo entupimento dos filtros dos tanques de armazenamento do combustível por conta da formação de "borras" derivadas da mistura diesel-biodiesel, Amapari e a Universidade Federal do Pará (UFPA) formaram uma parceria para desenvolver um projeto de Pesquisa & Desenvolvimento da Aneel.

Esta borra é formada por impurezas acumuladas no processo de produção do biodiesel e é inerente a todas as térmicas que são movidas a este combustível. A pesquisa realizada pela ENEVA é voltada a identificar, a partir de análises químicas, a composição da borra, além de estudar alternativas para mitigar o problema e, assim, contribuir para o funcionamento pleno da usina.

O projeto, que teve início em agosto de 2014, tem previsão de duração de 24 meses e investimento de R$ 504 mil. Os resultados do estudo darão origem a dissertações e publicações, que poderão contribuir para beneficiar outras usinas com problemas semelhantes.

​​

ENEVA 2.0

Compartilhe esta página e seu conteúdo através das mídias sociais

 Acesso Rápido